CARLOTA MANTERO
  Carlota mantero

As imagens que invento, decorrem da necessidade que tenho em comunicar o que sinto, não só com as pessoas em geral,
 mas sobretudo comigo mesma, exprimindo e revelando aquilo que até então estava indizível, encoberto no limbo do silêncio.
Eu própriame surpreendo nelas, como se me revelassem facetas que desconhecia em mim.

São imagens carregadas de um simbolismo próprio, diria até “iniciático”, que convocam o espectador para uma adesão silenciosa e lenta,
 penetrando num território que, não sendo só deste mundo, é de todos os tempos.

Algumas imagens parecem desenhos, outras assemelham-se a pintura, quando na realidade tem como base a fotografia. A técnica que utilizo pouco interessa, a sua classificação e enquadramento é, para mim, irrelevante. São imagens que instauram o seu próprio horizonte de existência.

Podia tê-las escrito, pintado ou cantado, mas aconteceu realizá-las fotograficamente,
porque sou acima de tudo fotógrafa.

Nunca me interessou a fotografia apenas pela sua função representativa,
porque sempre me debrucei sobre o que cada imagem transporta de inaudito.


The images which I make up, come from a need to communicate what I feel. Not only with people in general, but above all with myself, thus expressing and revealing what until then was unspeakable, covered by the limbo of silence.

I myself get surprised with them, as if they where revealing some facets of mine which I did not know.

The images enclose an epiphany and their specific stories, in a likewise way to the mystic and inspired context from which they arise. The images emerged, almost all of them, from instants blown by a vital inspiration and for that reason there is little to report about their origin.

These are images loaded with their own symbolism, which I could even feel akin to initiation. They call the viewer to a silent and slow adhesion, thus penetrating into a territory which, not being only from this world, is indeed from all times.

I could have written them, painted them or sung, but it so happened that I did them through photography, because I am above all a photographer.

I have never been interested in photography just because of its representative function, because I have always delved on what each image carries as unprecedented.

carlota.mantero @ hotmail.com